Eu li e recomendo

O projeto “Eu li e recomendo” tem como objetivo divulgar o que os leitores do CEI Mirassol consideram como leitura imperdível. Confiram e boa leitura!


Li e recomendo Garota Exemplar, de Gillian Flynn. O enredo está centrado no cotidiano de um casamento em crise. Desilusões, expectativas, paixões, ódio, amor, silêncio, vazio, encantos, desencantos, solidão, culpa, arrependimentos.
A trama leva o leitor a uma viagem no labirinto “psicológico” das relações humanas em busca da verdade. A verdade de Amy (Garota Exemplar), a de Nick (Garoto Nada Exemplar), a sua (?).
É uma leitura que chega a ser divertida quando, por exemplo, faz da trama o verdadeiro jogo de gato e rato e, assim, testa nossa habilidade e competência para sustentar escolhas, mesmo as mais insanas.
A obra foi levada ao cinema, mas o livro é melhor!
Clícia Maria.

A aluna Raissa, do 2º ano BV, leu o livro “Cocori quem?”, da autora Melanie Joyce, e recomenda para você. Em uma fazenda, os animais estavam todos dormindo quando, então, o galo acordou a todos porque queria mandar nos bichos. Mas os animais não aceitaram a presença do galo e botaram ele para correr.

Percy Jackson e o ladrão de raios, do autor Rick Riordan, é um livro que eu recomendaria por se tratar de uma história de aventura, mitologia, ação e romance. É um ótimo livro, pois leva você a outro mundo. O leitor se empolga, vive com os personagens e acompanha cada aventura e cada momento.
Esse tipo de livro é muito bom para pessoas que não gostam de ler e acham que ler é algo entediante e chato. A linguagem que o autor utiliza é de fácil entendimento e a história se passa no tempo contemporâneo. (Marina Leonardi, aluna da 2ª série B)
O aluno Henrique Varella, do 2º ano BV, leu o livro “Goosebumps, o abominável homem das neves de Pasadena”, do autor R.L Stine, e recomenda para vocês. O pai de Jordan Blake ia viajar e começou a contar histórias de viagens para ele e para a irmã Nicole. Jordan queria muito ver a neve, mas em Pasadena fazia muito calor. Ele então passa a sentir algo gelado. O livro termina sem dizer se era o abominável homem das neves que estava assustando ele.
A aluna Maria Helena, do Estágio IV, indica para vocês o livro “O piquenique da fada Cacá”, da coleção Fadinhas Cheirosas. Clique aqui e confira o vídeoO piquenique da fada Cacá
Mariana Ester, aluna do 2º ano BV, recomenda a leitura do livro “Eugênio, o gênio”, de Ruth Rocha.
“A história é sobre um gênio que gosta de lê e de ajudar os pais. O gênio sempre vai para a escola, brinca e volta para casa. Já em casa, toma banho e veste a roupa para depois ir brincar.”
Mais uma dica de leitura do nosso projeto “Eu li e recomendo”. A aluna Melissa Ximenes, do 2º ano, indica Tolerência, de Cristina Klein.
O livro nos ensina a ser tolerantes e respeitar os outros como eles são. Ensina-nos a respeitar a família e os idosos. Pessoas tolerantes são pessoas que ajudam uns aos outros. (Melissa)
Eu li e recomendo “A arara cantora”, de Sônia Junqueira.
O livro conta a história de uma arara que amava cantar, mas ninguém gostava quando ela cantava. Um dia, ela perdeu a voz e todo mundo ficou feliz. Por fim, a arara saiu da cidade. (Natália Galvão, aluna do 2º ano)
Eu achei muito legal o livro Ripslinger. Ele conta a história do avião que sai correndo e sonha em ganhar a corrida. (Alexandre Paulino, 2º ano)
Eu recomendo a leitura do livro As aventuras de Max e Biriba, do autor Arturo Cavalcanti Catunda, pai da nossa aluna Letícia Medeiros Catunda do 3º ano BM. O livro conta a história de dois cães que tem vivências bastante diferentes, mas se completam. Eles embarcam em uma aventura repleta de emoções. O livro trás uma história de amizade e companheirismo. (Suzana Campos Cavalcante, Orientadora Pedagógica do Ensino Fundamental I)
O livro O diário de um banana: caindo na estrada é bem legal, engraçado e a história parece um diário com muita confusão. (Vinícius Maranhão, aluno do 3º ano).
Eu li e recomendo a série “O Guia do Mochileiro das Galáxias”, de Douglas Adams.
Para O Guia do Mochileiro das Galáxias, o universo era um lugar calmo, tranquilo, mas cheio dos velhos e trabalhosos problemas. Era assim que o humano Arthur Dent via a vida, do seu ponto de vista mínimo sobre ela, em relação à imensidão do universo, de que tão pouco tinha noção. Até o dia que parecia o Juízo Final, mas não era. E, imagine se quiser, tudo começou com uma casa. Após um protesto enlameado e escapar da raça alienígena para proteger sua casa e a Terra, que seriam destruídas para a construção de um desvio, ele é reconfortado, com a notícia do fim do mundo, pelo seu amigo que nada, além da aparência, tem de humano, Ford Prefect. Eles chegam à nave Coração de Ouro, onde encontram a tripulação mais fora do normal da galáxia. Segundo a aventura trazida pelo “quase sempre certo…” Guia, eles viajam pelo Universo para jantar no Fim do Universo, descobrir A Pergunta etc. As histórias narradas por Adams trazem ao leitor uma mensagem recheada de boas risadas de que o Universo é maior do que seu quarto, e instiga-o a pensar sobre assuntos sérios da maneira mais engraçada que vier à cabeça. Não precisa ser cientista para falar de ciência. E haja o que houver, lembre-se das amigáveis palavras “Não entre em pânico”. (Miguel Inácio, 8º ano B.)
Eu li e recomendo, a todos os que se permitem “viajar” nas asas da literatura, a obra As aventuras do bom soldado Svejk, do escritor theco Jaroslau Hasek.
Inúmeras são as razões para essa indicação, entre elas está a capacidade do autor transportar o leitor para o cenário em que a história acontece (Primeira Guerra Mundial) e fazer você sorrir, chorar, se emocionar e torcer, sempre, para que o bom soldado se liberte desse labirinto de aventuras e desventuras que o destino lhe prega.
A obra é repleta de situações trágicas que, com sabedoria, Svejk transforma em cômicas. Tudo fruto da leveza e destreza do autor em convencer seu leitor de que ora o bom soldado é um completo imbecil, ora um ardiloso e inteligente protagonista dos fatos… Fica a dúvida.
Ainda recomendo a leitura por um aspecto que desperta sentimentos antagônicos. Por ser uma obra inacabada (o autor morreu antes de sua conclusão), consegue a façanha de deixar o leitor feliz por imaginar para Svejk o desfecho que lhe aprouver e extremamente triste por comprovar que jamais terá a chance de rir, chorar, torcer por mais uma aventura de Svejk.
Por fim, suspense, drama, comédia, realidade e ficção. Um misto de insanidade, insensatez, irreverência, sagacidade e, principalmente, genialidade marcam a trajetória épica do bom Soldado Svejk.
Essa é uma obra marcada por tamanha beleza que dificilmente poderá ser enquadrada em outro estilo que não seja o clássico. A seu respeito declarou o autor Berthold Brecht “se me pedissem que apontasse três obras literárias que certamente se destacaram neste século, sem dúvida uma seria As aventuras do bom soldado Svejk, de Juroslau Hasek”. (Clícia Maria e Barros, Orientadora Pedagógica do Ensino Fundamental II)
“O livro que li e recomendo é “Diário de um Banana – Segurando Vela”, de Jeff Kinney. A escola de Greg precisa arrecadar dinheiro e para isso organiza um baile do dia dos namorados. Greg conta com a ajuda de seu melhor amigo para arrumar uma namorada. Durante o baile, cem velhinhas chegam para debater sobre a morte e o baile dos namorados se transforma em um baile da saudade. Quando os idosos saem o D5 toca a última música. Greg encontra Abigail. Os dois começam a dançar e ele grita ao perceber que ela está cheia de pintinhas. O baile termina, Greg vai para casa e percebe que está com catapora. Enquanto isso sua querida Abigail acaba namorando com outro.” (Tomaz Fernandes Rêgo Brito, 6º ano A)
Li e recomendo a obra Harry Potter e o enigma do príncipe, que traz o sexto ano de Harry na escola Hoguorts. Este é um livro muito divertido por conter partes engraçadas e outras cheias de conflito e suspense.
A obra inicia com o capítulo chamado de ” O outro ministro”, que trata da substituição do ministro da magia, Cornelius Fudge, por Rufo Scrimgeour e ainda a conversa entre Fudge e o primeiro ministro dos trouxas (trouxas são pessoas que não têm sangue mágico).
A chegada de Harry é marcada por aulas particulares com o diretor Dumbledore e por um livro de poções com soluções práticas além de feitiços criados por um antigo aluno que se autointitulava “Príncipe Mestiço”.
Harry também guarda suspeitas de Draco Molfoy, o qual acredita ser um comensal da morte e que portanto planeja algo a favor do mestre.
Com conflitos e preocupações, dentre elas a falta de consciência da aluna Katie Bell e o envenenamento do amigo Rony Weasley.
Em suas férias de Natal, Harry tem uma conversa desagradável com Rufo Scrimgeour, o novo ministro da magia que pede a ele que se junte ao conselho como “o eleito”, nome que vem sendo chamado desde que a verdade sobre o retorno de Voldemort se revelou.
Harry recebe críticas, é chamado de mentiroso e enfrenta um ano repleto de conflitos e desafios. (Letícia Alves, 6º ano A)
A obra “Diário de um cavaleiro templário” é uma indicação indispensável para os que apreciam romances medievais. A história verídica de Robert La Croix, um plebeu Francês que, após uma enorme jornada, chega a lutar em nome da fé pela ordem dos cavaleiros templários na terra santa. Todo seu desfeche se desdobra na visão de Robert, sempre abraçando minuciosos detalhes de tudo que ele vivenciou, saindo de sua infância até o dia de sua morte. (1109 – 1189). (João Carlos Lima, 1ª série B)
Mais uma dica imperdível de leitura.
Kennia Isis de Araújo Dantas, professora de Filosofia/Sociologia do Ensino Médio, recomenda “Leite Derramado”, de Chico Buarque.
O curto e despretensioso romance desse consagrado autor prende a nossa atenção pela narração, por meio de um monólogo, da vida de um velho moribundo em seu leito de hospital. Seus anseios, seu amor mal resolvido, seu comportamento e sua vida familiar tornam esse livro surpreendente e cativante.
Cheio de revelações explícitas, ou nas entrelinhas, Leite Derramado é uma excelente opção de leitura. Como não poderia deixar de ser, Chico Buarque nos leva a uma viagem que tem como pano de fundo a sociedade brasileira e alguns de seus velhos hábitos como a corrupção, os compadrios e preconceitos e ilustra, como poucos, misturando ficção e realidade, a decadência de uma tradicional família brasileira. (Kennia Isis)
“A História Sem Fim”, de Michael Ende, foi o livro que mais me marcou até hoje. Uma história cativante e encantadora. Ao acompanharmos a jornada de Bastian, as fronteiras entre a realidade e fantasia se confundem, e somos levados a refletir sobre nossas próprias vidas e escolhas. (Natasha Schviontek de Miranda Henriques, 3º Série “C”)
“As vantagens de ser invisível”, de Stephen Chbosky, está entre meus 3 livros favoritos.
Os capítulos são, na verdade, cartas destinadas a um estranho anônimo aonde Charlie conta sobre a sua vida, seus pensamentos e sentimentos. Logo percebe-se a sua introspectividade, mostrando-se tímido e muito inteligente também. Dois acontecimentos marcaram sua vida: a morte de sua tia favorita, Helen, e o suicídio de seu único amigo de infância da escola, Michael. No primeiro ano de ensino médio, ele conhece os veteranos e meio-irmãos Patrick e Sam, passando a pertencer a um grupo de amigos. A partir daí, ele passa por diversas experiências, como ir a festas e namorar. Os vários acontecimentos e reviravoltas durante a narrativa vão moldando Charlie e levam-no a descobrir o porquê dele ser diferente.
Muitos vão se identificar com Charlie, outros nem tanto, mas Stephen Chbosky consegue passar todos os sentimentos, conflitos internos e pensamentos do personagens, o que torna impossível não conseguir se envolver na história e não desejar se sentir infinito junto de Charlie. (Laís Mesquita M. Lima, 3ª série B)
Aos interessados em começar a entender sobre Economia e sua história, recomendo a leitura da obra “Crash: uma breve história da economia – da Grécia antiga ao século XXI”, do autor Alexandre Versignassi.
Trata-se de um livro muito bem escrito, super didático para quem pretende começar a entender sobre Economia e sua história. Temas como inflação, deflação, ações, câmbio, planos econômicos, crises financeiras e outros pontos fazem parte dos capítulos da referida obra. (Claudio Custódio, professor de Geografia do Ensino Médio)
Mais uma dica de leitura do nosso projeto “Eu li e recomendo”.
Por meio de um enredo envolvente, “O Físico”, de Noah Gordon, aborda a epopeia de Robert J. Cole, o qual, a fim de conseguir se tornar um médico durante um período de obscurantismo na Europa, enfrenta uma série de dificuldades, consequência da forte dominação da igreja medieval. Em virtude do seu dom, o protagonista abandona sua cidade rumo ao esplendor do Oriente, onde conhece um dos precursores da Medicina: Avicena. Sendo assim, para quem possui curiosidade de saber como essa ciência se desenvolveu e quer compreender um pouco mais sobre a cultura cristã, islâmica e judaica, esse livro é uma excelente oportunidade. (Maria Luisa Higino, 3ª Série A)
Com uma linguagem simples e divertida o livro “7 Hábitos dos Adolescentes Altamente Eficazes”, de Sean Covery, é um guia definitivo de sucesso para adolescentes. Falando sobre questões difíceis e decisões importantes na vida destes, o livro fornece ajuda aos adolescentes para melhorar a autoimagem, para fazer amigos, para resistir à pressão do grupo, para alcançar seus objetivos, para melhorar a convivência com a família e muito mais. Além disso, este livro está repleto de ideias interessantes, ótimas citações e histórias de adolescentes de todo o mundo, o que melhora ainda mais a leitura. (Pedro Henrique Breda, 2ª série C)
Publicado pela primeira vez em 1899, “Dom Casmurro” é uma das grandes obras de Machado de Assis e confirma o olhar certeiro e crítico que o autor estendia sobre toda a sociedade brasileira. Também a temática do ciúme, abordada com brilhantismo nesse livro, provoca polêmicas em torno do caráter de uma das principais personagens femininas da literatura brasileira: Capitu. 

Dom Casmurro está dividido em 148 capítulos, na sua maioria, curtos. A narração é feita em primeira pessoa por Bento Santiago, que relata a história de sua vida. Trata-se de uma pseudo-biografia de um homem envelhecido que parece preencher sua solidão com a recordação de um passado que marca seu sofrimento pessoal. É uma visão amarga e doída de quem foi machucado e traído pela vida, e por isso, vai-se isolando e ensimesmando. O título da obra reflete tal ideia: Casmurro é um termo referente ao homem calado e metido consigo. O “Dom” é uma ironia, pois atribui importância, destaque a este homem isolado.

Importância do livro
A temática da traição, presente em Dom Casmurro, é instigante por si só. A traição conduz o ser humano aos limites da racionalidade e à beira da perda da razão. No entanto, o traço fundamental da obra é o questionamento da verdade, entendida como um dos edifícios do realismo a que o próprio escritor pertencia. A intensidade desse diálogo – com o tempo, com as emoções humanas e com a arte – faz de Dom Casmurro um romance de releituras sempre proveitosas.

As marcas mais evidentes do estilo machadiano estão presentes no livro: a digressão (suspensão da narrativa para o desenvolvimento de reflexões paralelas), a metalinguagem (discurso sobre a própria arte) e o diálogo com o leitor, quase sempre conduzido com fina ironia.

Aos interessados em conhecer um pouco da História da Física, recomendo a leitura da obra “Evolução das ideias da física”, do autor Antonio Pires.
O livro apresenta uma abordagem histórica acerca das mudanças nas concepções da física desde a Grécia Antiga, passando pela física clássica, até os dias atuais (com a formalização da teoria quântica). A filosofia, por ser uma parte integrante da física, também é bastante contemplada, possibilitando-nos conhecer as antinomias que divergiam várias civilizações e comunidades de pensadores em sua forma de enxergar a natureza. Com certeza, é uma leitura que ajudará o leitor a quebrar vários paradigmas e anacronismos através da História da Ciência. Para tanto, basta um conhecimento básico de física para desenvolver a leitura de forma proveitosa.
Max Rezende.
Professor de Física.
Monitor de Física do CEI Mirassol.
Li e recomendo para você que gosta de aventura, magia e até suspense, a coleção de livros Harry Potter, de J.A. Rowling.
Harry é um menino que mora no armário embaixo de uma escada da casa nº 4 da Rua dos Alfeneiros, com os seus tios Sr. e Sra. Dursley e o seu filho Duda. Eles o maltratam pelo passado terrível de Harry e seus pais Lilian e Thiago Potter.
A família Potter não era uma família comum, era uma família de bruxos. Os pais de Harry foram mortos por um dos bruxos mais temidos: Lord Valdemort. Um bruxo tão poderoso que as pessoas tinham medo de pronunciar seu nome.
Harry tinha uma vida amarga com os Dursley, até que, no seu aniversário de 11 anos, recebe uma carta da escola de magia e bruxaria de Hogwarts.
Para conhecer essa história, embarque com Harry em suas aventuras.(Anna Beatriz, 7º ano)
Eu recomendo o livro “O amor entra em cena em Ratford”, de Tea Stilton, porque fala de várias ratinhas que passam por vários desafios e perigos. O colégio onde elas estudam está completando 600 anos e, para comemorar, os professores decidiram que os alunos encenariam uma peça que se chama “Romeu e Julieta”. Então, cada rato(a) ficaria com o seu papel. Mas tinha uma vilã e suas amigas que querem ficar com os mais importantes papéis.
Uma das ratinhas, chamada Violeta, ficou com o personagem da Julieta, mas a vilã, sabendo disso, fez com que a ratinha se atrasasse para ganhar o papel de Julieta. Então, a vilã mandou um bilhete convidando para ensaiar a peça juntas, fora da escola, no museu. Violeta foi, mas Vanilla, a vilã, trancou a ratinha lá dentro, mas depois as amigas de Violeta e o Romeu a acharam e foram correndo se arrumar.
Todo mundo ficou bem, menos a vilã.
(Ianne Freitas Bessa, 4º ano)
Eu recomendo que vocês peguem na biblioteca o livro “O espaço”, da escritora Marie Kolaczek. Você vai descobrir muitas coisas que você não sabia sobre o sistema solar, como: “Porque o céu é azul?”, “A estrela cadente não é uma estrela!” e muito mais. Eu tenho certeza que todo mundo vai gostar desse livro. Eu já aprendi tudo isso. Eu já li, só falta você. Além de ser um ótimo passatempo, vocês vão aprender muito sobre o sistema solar e tudo que tem no sistema. Vocês vão adorar!
Júlia Nogueira – 3º ano
As aranhas na arca de Noé (Pat Matuszak & David Sheldon) 

Eu recomendo esse livro porque aprendemos que não devemos julgar as pessoas apenas pelas qualidades ruins. Devemos sempre procurar saber as boas qualidades que uma determinada pessoa tem.

Este livro conta uma nova versão da história da Arca de Noé, em que a esposa de Noé não gostava das aranhas. As aranhas produziam muitas teias que sujaram a arca. A esposa de Noé tentava matar as aranhas e nunca conseguia. As aranhas decidiram se esconder na jaula dos macacos e, assim, a arca ficou cheia de mosquitos. Um dia a esposa de Noé foi ver a jaula dos macacos e, quando ela chegou lá, viu que não tinha nenhum mosquito porque as teias estavam aprisionando eles. A mulher tirou as aranhas da jaula e deixou-as livres por toda arca, elas espalharam as teias e nunca mais houve mosquitos na arca. (Rafael Guerra – 4º ano)

 

Se tem um adjetivo que determine esse livro, eu diria Divertido. Mas por que eu daria esse adjetivo? Porque desde a capa até a última página, esse livro é “lotado” de diversão.

A história mostra vários sentimentos através das personagens, por exemplo, o amor entre as personagens Doravante e Aventura. Falando neles, deixe-me explicar a história.
No livro, existem duas cidades: Desatino do Norte e Desatino do Sul.Existia um casal em Desatino do Sul: Apolo Dez e Madrugada. Mas, espera aí, você deve estar se perguntando: Que nomes estranhos são esses? Pois é, nenhum personagem tem um nome normal nesse livro. Criativo, não é?

Sim, mas por que Apolo Dez? Na verdade essa história de Apolos é uma herança. Desde que Apolo Um nasceu, ele decidiu que o filho dele quando nascesse mereceria uma festa, e teria o nome de Apolo Dois; e assim por diante essa tradição continuou até chegar em Apolo Dez.
Tudo começou quando Madrugada disse: – Estou grávida!
Apolo Dez começou a juntar dinheiro para fazer uma festa quando Apolo Onze nascesse; o problema foi que toda vez que Madrugada falava que estava grávida, sempre era de uma menina. Isso aconteceu 7 vezes. Apolo Dez já não tinha mais nenhum nome para colocar em uma menina. Ele já tinha dado o nome das 7 maravilhas antigas do mundo.

Você já imaginou 7 meninas chamadas: “Ilha de Rodes”, “Pirâmides”, “Muralha da China”, “Artemísia”, “Diana”, “Alexandria” e “Babilônia”? Até que um dia Apolo Onze nasceu e a festa pôde acontecer. O problema mesmo foi que Apolo Dez tinha juntado tanto dinheiro, que a festa nunca vai se acabar.
Um certo dia, um sujeito chamado Erudito parou em Desatino do Sul, no dia em que a festa de Apolo Onze iria começar, com suas três filhas: Aventura, Divina e Odisséia.
Neste mesmo dia, outro indivíduo passava pela cidade viu o convite, e quis ir à festa. Esse indivíduo se chamava Doravante e era muito sortudo e gostava de falar “juntodeumavez”.

Eram 12h da noite na festa de Apolo Onze quando Aventura avistou Doravante e ele à avistou. Foi amor a primeira vista. E é dessa maneira adorável que a história continua, com o nascimento de Luna Clara, mais amor e desencontros.

Aproveite a festa, ou melhor o desenrolar dos fatos da história de Luna Clara e Apolo Onze, de Adriana Falcão, que li e recomendo. (Miguel Marinho, 7º ano)

Inteligente e criativa! Algumas palavras que podem descrever as aventuras de Quentin, um menino apaixonado por sua vizinha Margo. “Cidades de papel” consegue nos surpreender com uma história bonita e emocionante e, incrivelmente, viciante – você não consegue parar de ler. É um contexto que surpreende adolescentes e adultos também. Li e recomendo mais esta obra do escritor de “A culpa é das estrelas”, John Green. (Isabela Fregonezi, 7º ano)
 

Entre risadas, tristezas e superações, eu indico “A culpa é das estrelas”, pois o livro consegue mostrar que qualquer um de nós pode ter uma vida normal e se apaixonar mesmo tendo uma grave doença, como o câncer. Se você gosta de livros românticos, dramáticos e engraçados, você irá amar este, pois ele vai desenvolver todas essas emoções e irá mexer com o seu psicológico. (Helena Jalil e Júlia Wanderley – 9º ano)

 

A “Culpa é das estrelas” é uma daquelas histórias que você se identifica com a personagem. Quando ela está feliz, quando ela chora e fica triste, você vive junto todas essas emoções. Uma história que você nunca esquece e sempre estará no seu pensamento e em seu coração. Por isso, eu recomendo esta obra de John Green. Essa é a história emocionante e envolvente de Hazel Grace, uma garota que tem câncer e vai perseguir seu sonho a todo custo. (Giovanna Correa – 7ºano)

Estreando nosso projeto, Clícia Maria e Barros, Orientadora Educacional do Ensino Fundamental II, recomenda “A casa das sete mulheres”, da autora Letícia Wierzchowski. A respeito dessa obra, Clícia nos diz: Romance brasileiro que tem como pano de fundo a Revolução Farroupilha no Rio Grande do Sul. Em um clima de guerra, a família de Bento Gonçalves luta para sobreviver. O romance é eletrizante, mistura realidade e ficção, amor e ódio, razão e loucura que fazem o leitor, rir, chorar e torcer por cada um de seus personagens. Por tudo isso, eu recomendo essa leitura que considero imperdível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>